Consuelo: 100 anos


Minha avó Consuelo Rocca Cappucci faria 100 anos hoje. Tinha uma personalidade fortíssima, e não era fácil de se lidar com ela. Mas foi uma grande avó e bisavó. Naturalmente se transformou numa personagem, presente diariamente em nossas vidas muitos anos depois de seu falecimento. Era uma criadora de bordões: "Virgem santíssima!" "A que ponto chegaste!", e outros menos publicáveis. Alguns dessas frases eu incorporei na personagem Florinda, da minha peça Intervalo


Dona de uma saúde de ferro, ela criou um mito na sua biografia meio real, meio imaginária. Jurava ter visto Jesus numa nuvem, após a passagem de um "furacón" (seu sotaque era uma atração à parte). Contava sempre um episódio passado no período em que viveu em Ceuta, no Marrocos. Segundo ela, ou "mouros" se encantaram com seus olhos negros e a raptaram provocando uma disparada de cavalos em pleno deserto do Saara. 


Hoje não existe um dia que seus muitos bordões sejam lembrados. Quando enfrento uma situação ruim, cito seu imortal "a que ponto chegaste" e rio de mim mesmo. A bengala que ela nunca usou (para não parecer "velha", mesmo depois dos 90 anos de idade) está no meu quarto, esperando a vez em que chegarei ao tal ponto. Que Deus te abençoe e ilumine, vó!

Comentários

Diva Marquezi disse…
E as poses de modelo? E o fato de chegar com os dedos das mãos no chão sem dobrar o joelho? E o fato de te achar "a cara do Agnaldo Rayol"? Que saudade, baixinha, que saudade!
Labellaluna® disse…
Fantástica essa lembrança... Não era a toa que ela te adorava.
Você nos fez chorar aqui...
Obrigada por ser essa pessoa carinhosa e atenciosa
Te amamos muito
Feliz aniversário pra ela onde quer que esteja
Rogeria e Regiane (filha e neta)

Postagens mais visitadas