A entrevista com Ian Anderson - Parte 1

Não sei se a VIP publicou ou não minha entrevista com Ian Anderson, o cantor / flautista / violonista / compositor / arranjador da banda Jethro Tull. É um grande cara, modesto, inteligente e culto, coisas raríssimas no ambiente do show business. Vou publicar neste blog (por partes) a entrevista que fiz com Mr Anderson por telefone, no dia 24 de abril de 2007. Ele estava num hotel de Curitiba, como parte de sua turnê pelo Brasil.
---------------------------------------------------------------------------------------

Qual o segredo de chegar aos 60 anos e manter toda essa energia no palco?

Eu fui um músico por toda a minha vida. E fazer o que você gosta é bom para o cérebro e para o corpo. É como andar de bicicleta: uma vez que você aprende e gosta, continua fazendo. Além disso tenho pouco envolvimento com álcool e outras substâncias que costumam fazer o estilo de vida de um rock star. Eu termino o que faço no palco e quero sossego. Quando não estou excursionando eu levo uma vida bem tediosa na minha fazenda. Gosto de dormir 10 e meia da noite e levanto com o sol, às 6 da manhã.

Sua formação musical parece ser uma das mais originais do mundo do rock. Como começou?

Eu comecei ouvindo big bands americanas, música folk da Escócia, onde eu nasci, blues e música contemporânea britânica dos anos 60. Na verdade nunca fui exatamente um fã de rock.

Quais foram os flautistas que mais o influenciaram?

Na verdade não muitos. Eu gravei aquela música do Rahsaan Roland Kirk (“Serenade to a Cuckoo”) no nosso primeiro disco. Já toquei com James Galway. E tive uma história triste com Herbie Mann (um dos mais célebres flautistas de jazz) Nós íamos tocar juntos em Albuquerque, New Mexico e eu estava muito animado com essa possibilidade. Pouco antes do show a esposa dele me telefonou dizendo que ele tinha descoberto que estava com câncer de próstata e emocionalmente impossibilitado de comparecer.

(continua)

Comentários

Tiago disse…
Bah cara tu teve a honra de conversar com o gigante Ian Anderson. meus parabéns, e valeu por postar aí permitindo que eu possa ler. Pelo visto não muitas pessoas leram mas não dá nada. São poucos os que sabem da importância desse gênio.

Postagens mais visitadas