Share/Bookmark

quinta-feira, 10 de abril de 2014

5 milhões de agradecimentos


Minha página no Google+ atingiu (e ultrapassou) a marca das 5 milhões de visualizações. Tenho muito orgulho disso. E é por essa possibilidade de expansão sem limites que eu gosto tanto do G+. Quero agradecer aqui meus 254.720 seguidores. Muito obrigado a cada um de vocês.

Meu endereço: plus.google.com/+DagomirMarquezi.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

O último conselho de José Wilker (1947-2014)



Eu conheci o José Wilker quando assisti a inesquecível novela O Cafona em 1973. Catorze anos depois, trabalhei com ele. Entre maio e novembro de 1987 fiz parte (com Mario Prata e Reinaldo Moraes) do time  que escreveu a telenovela Helena para a Manchete. Wilker era o diretor artístico da rede.

Nas reuniões que tivemos, ele me pareceu ser um bon vivant sem muito apego ao cargo. Facilitou nossa vida o mais que pôde naquela dura travessia. Mas o dia mais marcante dessa convivência foi justamente o último. Acabada a novela, tentamos renovar o contrato. O Wilker nos avisou que a renovação era impossível por causa da situação instável do departamento de dramaturgia. E gentilmente nos convidou para uma despedida na casa dele.

Num domingão carioca fomos os 3, o Prata, o Reinaldo e eu. Logo conhecemos sua famosa sala de vídeo com as paredes forradas de filmes ainda em fitas VHS. Ele nos convidou a uma sessão de cinema. Imaginei que teria que aguentar um Visconti, um Buñuel,um Resnais ou quem sabe um Bergman. E o Wilker, o homem do cinema-cabeça, deu o play no Apertem o Cinto o Piloto Sumiu 2. Sua esposa da época (e atriz em Helena), Monica Torres, providenciou os comes e bebes. Passamos a tarde rindo com o filme no sofazão da sala, dando um tempo nas apreensões com o nosso futuro profissional.

Na saída, Wilker se despediu do amigo Prata. E disse uma única frase para mim e para o Reinaldo: "Nunca desistam de escrever". Na hora me pareceu um conselho redundante e formal. Mas a vida me ensinou que essa simples frase seria fundamental como uma bússola.

segunda-feira, 31 de março de 2014

Il Marchesi di Milano

Foto: Lidice Ba

O nome original do meu pai era Decio Marchesi. Mas por razões que eu nunca entendi direito, ele "nacionalizou" o sobrenome para Marquezi. Nesse dia 31 de maio de 2011 da foto eu estava visitando o centro de Milão com minha mulher. No labirinto de ruas ao redor da Catedral da cidade chegamos ao lendário teatro Scala.

Ao lado do Scala, eis que encontro o estabalecimento de um semi xará, que já conhecia por uma reportagem na CNN: Gualtiero Marchesi, um dos grandes mestres da gastronomia italiana moderna. Conjugado à célebre casa de óperas ele mantém seu restaurante Il Marchesino. E uma loja onde pude comprar um exemplar autografado do seu livro The Marchesi Code:


Não conheci Gualtiero em pessoa. Nem jantamos em seu ristorante. Mas já fiquei feliz em ganhar a "icônica" foto lá de cima.


Gualtiero Marchesi

terça-feira, 18 de março de 2014

Pesadelos prontos: fotos antigas de Halloween


Diretores de cinema sonham em filmar imagens realmente perturbadoras, cenas que permaneçam para sempre nas cabeças de seus espectadores. Para isso usam efeitos especiais, maquiagem, atores sinistros, tudo o que puder impressionar. Às vezes conseguem, às vezes não. E sempre fica a sensação de que foi tudo friamente calculado para o máximo impacto.

Encontrei essas imagens recentemente em algum lugar da internet. São fotos tiradas na virada do século 19 para o 20, mostrando pessoas fantasiadas para o Halloween. São apenas fantasias em fotos antigas, sem nenhum truque. E parecem as imagens de um pesadelo cheio de imaginação.







sexta-feira, 14 de março de 2014

Minha vida com Paulo Goulart (1933-2014)

Foto: Lidice Ba

Paulo Goulart era um desses homens públicos com a rara capacidade de parecer que pertencia às nossas famílias. A foto acima mostra o quanto me senti à vontade ao seu lado no nosso único encontro pessoal.

Paulo era uma fonte inesgotável de bons exemplos, simpatia, carisma e atitude positiva. Não só ele, mas o "pacote completo". O fato de ter sido casado com Nicete Bruno por 60 anos e a solidez evidente de sua família só ajudaram nessa impressão de confortável intimidade. Além disso tudo, Paulo era espírita como eu.



Por algum tempo durante a década de 1970 eu escrevi um programa de rádio que era estrelado por Paulo, Nicete e os três filhos do casal (Barbara, Beth e Paulo Filho, ainda criança). Os programas foram produzidos por Walter Guerreiro e distribuídos para emissoras do país inteiro. Apesar de grande admirador dessa família, perdi a chance de estar com eles nas gravações.

Uma das melhores lembranças que tenho de Paulo Goulart foi sua atuação na comédia Orquestra de Senhoritas em 1974. Todo o elenco era formado por homens travestidos. E Paulo, aquele homão imenso, fazia justamente o papel da mais delicada das senhoritas, Madame Hortense. Era de chorar de rir.


Tive a sorte e o privilégio de rever esse grande ator no palco da FVG com a peça O Homem Inesperado.  Na saída daquele dia 20 de dezembro de 2009 dei meu único abraço de agradecimento a esse homem que eu acompanhei (pela TV) desde criança. Nessa partida somos todos herdeiros da sua iluminação espiritual.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Na íntegra: A Carne é Fraca, o documentário pioneiro sobre animais assistido por milhares de pessoas


Em 2005 fui convidado a dar um depoimento para um documentário do Instituto Nina Rosa chamado A Carne é Fraca. O documentário virou um sucesso inesperado. Há 9 anos atrás a causa dos direitos animais era um tema muito restrito a militantes e simpatizantes. A aceitação de A Carne é Fraca indicou que havia muito mais gente disposta a aceitar o vegetarianismo do que se esperava.

Tenho três pequenas participações no documentário, (a primeira delas aos 25 minutos). Este vídeo foi apresentado muitas vezes, em TV, escolas, centros comunitários, feiras, salões, auditórios públicos, etc. Já foi distribuído como VHS e DVD. Antes dele nunca a possibilidade de uma alimentação sem carne tinha sido tão divulgada e debatida. 


A Carne é Fraca tem muitos depoimentos. E, como não poderia deixar de ser, inclui algumas cenas fortes dos horrores que passam bois, frangos e porcos antes de chegar ao prato. Mesmo assim, foi visto por milhares de pessoas e já está traduzido para espanhol, inglês e francês.

Aqui vai A Carne é Fraca na íntegra. Esse filme já mudou para melhor a vida de muita gente. Pode mudar a sua também.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Minha rádio particular


Ter minha própria estação de rádio sempre esteve nos meus sonhos. Música é uma escolha pessoal tão preciosa que a gente se sente tentado a repartir o que gosta. Nossa trilha sonora pessoal revela nossa alma.

O sonho do rádio próprio de um certo modo está resolvido. O Grooveshark, um dos mais conhecidos serviços de streamming deixa que você monte a rádio que quiser. E transmita para quem quiser ouvir pela internet.

Essas rádios não funcionam o tempo  todo. Eu uso o seguinte método: crio na Grooveshark (é de graça) algumas pastas. Aí enquanto trabalho vou ouvindo música e separando minhas favoritas nessas pastas. Tem uma de música acústica, outra de música para a madrugada, uma de reggae, uma de música brasileira e a minha Escola de Funk. O funk verdadeiro, criado por James Brown.

De vez em quando eu transmito o conteúdo de uma dessas pastas, e elas se transformam em rádios. Monitoro quantas pessoas estão ouvindo minha rádio, posso me comunicar com elas simultaneamente à transmissão.

O endereço da minha rádio:
http://grooveshark.com/dagomir/broadcast
Eu comunico cada transmissão pelas redes sociais.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

7 razões pelas quais vegetarianos vivem mais e melhor


A revista Time acaba de divulgar um relatório do JAMA (Journal of the American Medical Association) reunindo 39 estudos realizados desde 1900. Conclusão desses 114 anos de análises científicas: vegetarianos vivem mais e melhor. 7 razões para isso:
  1. Dietas vegetarianas diminuem a pressão arterial.
  2. Vegetarianos têm 12% a menos de chances de morrer ou desenvolver doenças crônicas do quem come carne.
  3. Uma pesquisa específica de 2012 revelou que vegetarianos tendem a ter melhor humor e estado de espirito.
  4. Outra pesquisa com 44 mil pessoas mostrou que quem não come carne tem 32% menos possibilidade de desenvolver doenças cardíacas.
  5. Vegetarianos (e especialmente vegetarianas) têm o menos risco de desenvolver câncer de uma maneira geral.
  6. Os índices de diabetes são menores entre os vegetarianos.
  7. Quem não come carne tende a ser mais magro, ter colesterol menor e menos índice de massa corporal.
A matéria foi escrita por Alexandra Sifferlin para a revista Time e pode ser lida (em inglês) clicando aqui.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Amigos, 22 anos depois



Voltaram a circular no Facebook e adjacências essas fotos de uma festa de 1986. São valiosas para mim. Essa foi uma reunião informal da turma de 1964 do Colégio Vocacional Oswaldo Aranha. Aqui estão alguns dos seres humanos que me acompanharam durante oito dos mais importantes anos da minha vida. São amigos que eu conheci quando tinha 10 anos e que parecem tão iguais 22 anos depois. 

Eu estou  vestindo essa camisa branca de manchas pretas. À esquerda está a Carmen Cecília Campos Lavras. À direita a garota de camisa branca é a Eunice Pereira, e ao lado dela estão Francisco Gianatasio, Sheila Schwartman e Silvana Campanari. Outros nomes sinto muito mas sumiram da minha memória agora, no cansaço das 3 da manhã. Agachado com seu copinho de cerveja está John Lennon. Quer dizer, meu amigo Thomas Roth.

Aí embaixo identifico outras pessoas: Ciro Arantes, Lelio Machado Bittencourt, Fabio Cirello, Wanda Godoy. Eu estou ao lado de Koji Okobayashi, o japa de bigode que (junto com Roberto Martins Machado) me salvou de morrer afogado numa represa duas décadas antes dessa foto. O que me possibilitou estar aqui hoje editando este post. 

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Santiago Andrade e o valor absoluto da liberdade


A morte do cinegrafista Santiago Andrade chocou a parte ainda lúcida do Brasil pela sua futilidade. Ele foi morto porque um bando de psicopatas decidiu ir às ruas exercer sua política de ódio extremista.

Como escritor e jornalista eu tenho a obrigação moral de defender a liberdade de criação e expressão. Fiz isso durante o regime militar. Vou viver e morrer lutando pelo direito de ser livre. E pela obrigação de preservar essa liberdade às futuras gerações.

A democracia é um jogo para quem ama a liberdade. Milícias fascistoides de cérebro lavado não entendem as regras desse jogo. E nos ameaçam diretamente tomando as ruas, destruindo nosso patrimônio, incendiando nossos ônibus, impedindo nossa circulação, ameaçando nossas vidas. Gente assim, seus mentores e admiradores acima de tudo odeiam a liberdade. O universo como um todo já foi explicado a eles em meia dúzia de frases feitas.
  
Que a morte de Santiago Andrade não seja em vão.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A mais longa viagem da minha vida

Fotos: Dagomir Marquezi

Em 1999 eu estava cheio de milhas acumuladas pela United Airlines. Durante minhas férias de setembro/outubro na editora Abril, embarquei em São Paulo e fui para New York...



... de onde dois dias depois embarquei rumo a Londres e fiquei hospedado na cidade vizinha de Richmond...


... onde passei uma semana e segui para Amsterdam...


 ... e depois de conhecer várias cidades da Holanda, cruzei quase meio mundo até a cidade de Seattle, no extremo noroeste dos Estados Unidos...



... de onde, de carro, parti para uma rápida visita a Vancouver, no Canadá...



... antes de voltar a Seattle, fazer uma escala em Chicago e voltar a São Paulo. 

Minha alma está pedindo por outra viagem dessas.


(A letra formada pelo trajeto diz tudo...)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

G+: 200.000 seguidores


Atingi meus 200 mil seguidores no Google+. E quero aqui agradecer a cada um de vocês que me colocaram nos seus círculos. Ouvi rumores que a Google ainda está na dúvida se vai manter esta rede social. Eu torço para que continue. É uma bela "imitação" do Facebook, muito mais livre e bem resolvida. Como faço em tudo na vida, vou continuar tentando oferecer no G+ bons posts a quem me acessa, no caminho da cultura, informação, beleza e boas causas. Não consigo ser de outro jeito. Mais uma vez, obrigado.

"Infinity Gold" por VladStudio

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Os olhos de Stanley Kubrick

(Fotos: Dagomir Marquezi)

A exposição sobre Stanley Kubrick (1928-1999) no MIS de São Paulo foi um fenômeno de audiência. Tragam outras mostras tão bem feitas e interessantes quanto esta, e as filas dobrarão a esquina de novo. Eu assisti a praticamente todos os filmes deste grande mestre, e pude passear meus olhos (e minha câmera) por objetos e detalhes que nunca achei que fosse ver. Alguns detalhes:

Figurinos usados em Barry Lyndon (1975).
Kubrick usou lentes desenvolvidas pela NASA
para filmar apenas com luz de velas.

Objetos de cena usados na comédia Dr Strangelove (1964).
Este era o kit cenográfico de sobrevivência usado pelos
pilotos americanos caso caíssem em território soviético.
Inclui remédios, mapas astronômicos, um
micro dicionário em russo e notas de rublos.

A máquina de escrever Arler usada por Jack Nicholson
em O Iluminado (1980) . No papel, a única frase
repetida milhares de vezes: "All work and no play makes Jack a dull boy".

O "feto" das cenas finais e cheias de
simbolismo de 2001, uma Odisseia no Espaço (2001).

Uma das bonecas eróticas de Laranja Mecânica (1971).

Figurino de Spartacus (1960).

O sobretudo usado por Tom Cruise
em De Olhos bem Fechados (1999).

Estudo gráfico para Inteligência Artificial, 
projeto de Stanley Kubrick realizado 
por Steven Spielberg em 2001.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Moacy Cirne (1943-2014)


Durante a década de 1970 eu jurei que seria um estudioso das histórias em quadrinhos. Entrei até na escola de Ciencias Sociais da USP para isso. Meu ídolo era Umberto Eco.

Nessa época conheci um verdadeiro estudioso brasileiro dos quadrinhos, o maior deles: Moacy Cirne, um intelectual de verdade. Natural do Rio Grande do Norte, ele morava no Rio de Janeiro. Muitas vezes quando fui ao Rio me hospedei no seu apartamento onde era tratado como um rei por ele e sua esposa. Moacy estava sempre sorrindo e alternava conversas mais teóricas com as simples observações do dia a dia, com muito bom humor. Ele adorava ler ouvindo música clássica na antiga JB-FM. Seu livro Para Ler os Quadrinhos era obrigatório para os viciados em HQ

No sábado passado o grande mestre faleceu durante uma cirurgia em Natal. Quem quiser conhecer um pouco sobre ele, clique aqui para ler uma grande entrevista com Moacy realizada pelo site Superpauta.

sábado, 11 de janeiro de 2014

Ainda sobre Breaking Bad: a palavra de Stephen King


Todo mundo conhece Stephen King como o autor de livros clássicos do terror contemporâneo, como Carrie a Estranha, Cujo, O Iluminado, etc. Mas King é também um grande estudioso da cultura pop e colaborador da mais importante revista do gênero, a Entertainment WeeklyEntre outras tarefas Stephen King foi convidado pela revista a escolher as 10 melhores séries para TV de 2013. Este é seu texto (em tradução livre) para o primeiro lugar:

1) Breaking Bad - O melhor drama da TV americana de todos os tempos, um épico sobre o coração humano digno de Dostoiévski. Durante 62 episódios nós assistimos o contido Walter White se transformar em Heisenberg, um gênio do crime que não vai parar por nada. O verdadeiro triunfo está nos episódios finais, quando Walter faz uma última e mal sucedida tentativa de atenuar seus erros. A atuação do elenco inteiro é perfeita, e a fotografia não sentimental transforma o panorama do Novo México num pesadelo ensolarado. Só a história de Michael Corleone nos filmes do Poderoso Chefão podem se igualar a isso. Todo mundo de pé e gritando "Bravo!"